Aimee Semple | História da Igreja | Harold Willians | Igreja no Brasil | Declaração de Fé | Símbolos | Buscar Igrejas
Menu_01

Menu_01

Menu_01

AIMEE SEMPLE MCPHERSON

INTRODUÇÃO 

Poucas pessoas se mantém insensíveis depois da leitura da biografia da irmã Aimée. Seus talentos naturais colocados a serviço do Senhor; sua capacidade de obedecer a Deus; sua fé genuína; seu amor pelas almas; seu discernimento espiritual e muitas outras qualidades reveladas nesta biografia, resultaram num grande avivamento e por fim, no surgimento da Igreja do Evangelho Quadrangular.
Aimée Semple McPherson deixou-nos uma grande herança de vida cheia de amor e de realizações espirituais. Cabe a nós, agora, a responsabilidade de dar continuidade a este maravilhoso ministério, pregando e ensinando com fé, o Evangelho completo, o Evangelho Quadrangular. 


     

Jesus Cristo Salva;
Jesus Cristo Batiza com o Espírito Santo;
Jesus Cristo Cura;
Jesus Cristo Voltará.

"Grandes coisas fez o Senhor por nós, e por isso estamos alegres"
Salmo 126:3
Aimée Kennedy nasceu numa pequena fazenda perto de Ingersoll, Ontário, no Canadá, a 9 de outubro de 1890, filha única do casal James e Minnie Kennedy. Lá passou sua infância e mocidade, formando-se do colégio com honras especiais.
Na sua adolescência, a jovem Aimée se interessou cada vez mais pelos programas sociais e recreativos da Igreja Metodista que ela frequentava, usando seus talentos criativos nas apresentações teatrais da igreja. Cinema, patinação no gelo, romance e bailes foram as diversões que atraíram-na até o ponto de seu coração ficar cada vez mais frio e longe de Deus.
Com a idade de dezessete anos, enquanto cursava o colégio, ela ficou fascinada com os ensinamentos da teoria da evolução. Mesmo sendo criada num lar cristão, Aimée começou a duvidar da veracidade de suas crenças religiosas, até da existência de Deus. Nessa condição de indiferença ateística, Aimée não se sentiu feliz. Entre as dúvidas e a tristeza por ter discutido com sua mãe, tendo-a magoado com sua descrença, a luta em seu coração era muito grande.

CONVERSÃO

Uma noite ela foi para seu quarto, determinada a achar uma solução para suas dúvidas. Sem acender a lamparina, ajoelhou-se em frente à janela aberta onde contemplava a paisagem branca, toda coberta de neve. Levantando-se seus olhos aos céus, vendo a lua e as estrelas, pensou: "Certamente deve existir um grande Criador que fez tudo isto." De repente, ergueu os seus braços para o céu e clamou: "Oh Deus, se há um Deus, revele-se a mim." (Dentro de quarenta e oito horas Deus respondeu essa oração).

No dia seguinte, passando pelo centro da cidade com seu pai, Aimée viu uma placa anunciando cultos de avivamento pentecostal num salão grande. A pedido da filha, o Sr. Kennedy levou-a ao culto na noite seguinte. Aimée foi com a intenção de se divertir, mas, toda frivolidade e zombaria desapareceram quando o jovem pregador, Robert Semple, se levantou e abriu a Bíblia. O evangelista pregou sobre o texto: "arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados e recebereis o dom do Espírito Santo." (Atos 2:38)
Depois de explicar o plano de salvação e o que significa arrependimento e fé, o evangelista começou a expor a doutrina do batismo com o Espírito Santo. Ele mostrou que a salvação, e o Batismo no Espírito Santo devem ser ministrados lado a lado, para que o crente possa viver sua vida na plenitude do plano de Deus. Aimée ficou profundamente convicta de seu pecado. Repentinamente, o pregador deixou de falar inglês e começou a falar em línguas estranhas pelo Espírito Santo, com seus olhos fechados e os braços estendidos na direção de Aimée. Em seguida Robert Semple continuou a sua mensagem em inglês. Não houve interpretação, mas, Aimée, que até aquela noite nunca soubera do falar em línguas estranhas, sentiu que era a voz de Deus falando com ela, dizendo: "Tu és uma pobre perdida e miserável pecadora, merecedora do inferno." Aimée não aguentou mais e deixou o culto para assistir um ensaio da peça de Natal de sua autoria. Ela mesma descreveu os eventos que se seguiram com estas palavras:
"Não sei como terminei o ensaio naquela noite, mas eu sei que por três dias lutei com a mais terrível convicção de pecado e da minha necessidade de Deus. No terceiro dia, sozinha, voltando do colégio em um trenó, a convicção era mais do que eu podia aguentar. Levantando minhas mãos eu clamei em alta voz: Senhor Deus, tem misericórdia de mim, pecadora! Imediatamente o peso se foi; glória e alegria subiam do meu coração e transbordavam em louvor através dos meus lábios; lágrimas rolavam pelas minhas faces e eu comecei a cantar:
Toma minha vida e deixei-a ser consagrada, Senhor, a Ti; toma meus lábios e deixo-os cantar sempre, somente ao meu Rei! Agora já se foram as canções mundanas; tomais minhas mãos e deixa-as moverem-se pelo impulso do Teu amor! Então não haverá mais música mundana tocada pelas minhas mãos; toma meus pés e deixa-os serem ligeiros e formosos para Ti; já acabou para mim o salão de baile e tudo que ele para mim representava."
A conversão e a consagração foram completas. Chegando em casa, Aimée pegou todas as músicas de jazz e juntamente com os romances e os sapatos que usava nos bailes, queimou tudo, explicando a seu pai que veio correndo, que daquele dia em diante ela ia cantar e tocar hinos, e a Bíblia seria seu livro.
Voltar

     

CHAMADA PARA SERVIR E BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO

Depois da sua conversão, Aimée passou duas semanas numa alegria impossível de descrever. Um dia em oração, ela sentiu que precisava ganhar almas. Começou a procurar na Bíblia o segredo do poder e êxito daqueles que ganham almas. Pelo estudo do livro de Atos, ela descobriu que o revestimento do poder para servir era sinônimo de batismo com o Espírito Santo. Desde aquele momento ela começou incessantemente a buscar o Espírito Santo, perdendo muitos dias no colégio, para assistir reuniões de oração na casa de uma senhora já batizada com o Espírito Santo, que pertencia à Missão Pentecostal, onde Aimée ouviu o Evangelho. Quando a mãe de Aimée recebeu uma carta do diretor do colégio, comunicando o fato dela estar perdendo muitas aulas, proibiu-a de frequentar os cultos, chamando o povo da missão de fanáticos.
Na segunda-feira seguinte, Aimée conseguiu chegar na cidade, apesar da neve que estava caindo. Resolveu não ir ao colégio, mas, passar o dia em oração na casa da irmã da missão. Elas oraram juntas, pedindo ajuda a Deus, para que Aimée ficasse na cidade até receber o batismo. O Senhor ouviu a oração e a neve começou a cair numa tempestade muito forte. Ela orou o dia todo e quando foi pegar o trem para voltar à sua casa, descobriu que todos os trens estavam parados, as linhas telefônicas interrompidas e as estradas intransitáveis. Essas condições prevaleceram por uma semana, e Aimée ficou na casa da irmã, passando a maior parte do tempo ajoelhada e orando horas a fio, comendo e dormindo pouco, levantando na madrugada, e embrulhada em cobertores, continuava em oração.
Na sexta-feira ela ficou na presença do Senhor até à meia-noite. Levantando bem cedo no sábado, antes que qualquer pessoa da casa estivesse acordada, foi à sala, ajoelhou-se, levantando as mãos começou a orar pedindo o Espírito Santo, para melhor servir ao Senhor, contando o Seu amor para os outros. Num momento, uma alegria maravilhosa encheu o seu coração, e Aimée com os olhos fechados, viu o mundo como um vasto campo de trigo, já branco para a ceifa. Ainda em oração, o trigo começou a se transformar em rostos humanos, a folhagem, em mãos levantadas e sobre tudo apareceram as palavras do Salvador. "Os campos já estão brancos para ceifa. A seara é realmente grande, mas poucos os ceifeiros. Rogai pois ao Senhor da seara que mande ceifeiros para a sua seara." Naquela noite o Senhor colocou na sua mão uma foice de dois gumes (A Palavra de Deus), e no seu coração soaram estas palavras: "Vais recolher o trigo, mas lembres sempre que a foice te é dada para cortar o trigo. Muitos ceifeiros usam-na corretamente apenas poucas horas, e depois começam a cortar e marcar os seus colegas. Aplica-te à tarefa que está perante ti; corte somente o trigo e recolhe os molhos preciosos."
Esta foi uma lição que a irmã Aimée nunca esqueceu. Apesar das críticas, perseguições e mesmo calúnias terríveis, não procurava se defender, criticando ou ferindo os outros.
Naquele mesmo sábado inesquecível, Aimée Kennedy recebeu o batismo no Espírito Santo, louvando e glorificando ao Senhor numa língua que ela nunca aprendeu, "Segundo o Espírito lhe concedia que falasse."
Era quase meio dia quando se levantou com o rosto radiante, após ter ficado muito tempo na presença do Senhor, em oração. Fora, a tempestade havia cessado; os irmãos da casa entraram na sala e regozijaram-se com Aimée. Ela escreveu mais tarde: "Dentro do meu coração ficaram duas convicções: primeiro, que o consolador tinha entrado para ficar e que eu teria que viver andando em consagrada obediência à sua vontade; segunda, que eu tinha recebido uma chamada para pregar o evangelho eterno."

CASAMENTO E ENTRADA NO MINISTÉRIO

Logo após essa experiência maravilhosa, o evangelista Robert Semple, voltou a Ingersoll e no dia 22 de agosto de 1908, casou-se com Aimée. Juntos entraram no campo evangelístico, seguindo um programa de trabalho intensivo. Foi nessa fase do seu ministério que Aimée recebeu o dom de interpretação de línguas. Um dia enquanto estava orando no seu quarto, começou a falar em línguas, pelo Espírito Santo. Logo ela ficou consciente pelo fato de poder entender o significado das palavras dadas pelo Espírito. Durante o culto daquela mesma noite, o pastor, Rev. Durhan deu um mensagem em línguas e Aimée recebeu a interpretação, mas por causa da timidez, não deu a interpretação. Porém na reunião seguinte, quando uma mensagem em línguas foi dada, com medo de apagar o Espírito, Aimée foi obediente, deixando que o Espírito Santo desse a interpretação através dela.
Algum tempo depois, assistindo uma série de conferências, Aimée caiu numa escadaria e fraturou o osso de um dos pés, ficando com quatro dos ligamento completamente soltos, a ponto dos dedos serem puxados para baixo apontando a direção do calcanhar. Depois de colocar o gesso, o médico deu pouca esperança da recuperação dos ligamentos e da flexibilidade do pé e do tornozelo. Com os dedos do pé inchados, pretos e com muita dor, Aimée foi assistir o culto à tarde, dirigido pelo Rev. Durham. Não suportando mais a dor, deixou o culto, resolvendo descansar no seu quarto, que ficava um quarteirão de distância do salão de cultos. Chegando ao quarto, ela ouviu uma voz dizendo: "Se tu embrulhares o sapato do pé fraturado, voltares ao culto, e pedires ao Rev. Durham orar por ti, levando contigo o sapato para calça-lo na volta, eu curá-lo-ei." A princípio, ela estranhou a idéia, mas a voz no seu coração insistiu tanto que finalmente com a ajuda de muletas, voltou ao culto levando o sapato. Chegou tremendo e atordoada porque no caminho a muleta entrou num buraco na calçada, causando aos dedos, já sensíveis, uma dor terrível por haverem tocado no chão. Contando aos irmãos reunidos o que Deus tinha falado, e após uns momentos de oração silenciosa, o Rev. Durham colocou suas mãos no tornozelo dela e disse: "No nome de Jesus receba a cura." Instantaneamente ela sentiu que fora curada; o gesso foi tirado e num salto ela colocou-se em pé e começou a andar, louvando ao Senhor. O testemunho de Aimée foi este: "Desde aquela vez o poder da cura divina se manifestou vez após vez na minha vida e na vida daqueles que eu tive o privilégio de oferecer a oração da fé."
Não foi muito tempo depois disso que o casal Semple, sentindo a chamada de Deus, partiu para a China, como missionários naquele país idólatra. Enquanto eles ministravam ali, lutando pela causa do mestre, os dois caíram doentes com malária, e Robert Semple deixou essa vida, para viver com Cristo eternamente.
Após o sepultamento de seu marido em Hong Kong, Aimée voltou à América com sua filha Roberta, de seis semanas. Depois de alguns anos de trabalho na seara do Senhor, cansada, sozinha e querendo um lar para criar sua filhinha, Aimée casou-se com Harold Stewart McPherson.

Desse casamento nasceu um filho, Rolf Kennedy McPherson, o qual a sucedeu na presidência da Igreja (Internacional Church of the Foursquare Gospel) até o ano de 1988.
Nesse lar seguro e confortável, Aimée logo percebeu que não poderia ser inteiramente feliz se não fizesse a vontade de Deus. A voz do Senhor falava ao seu coração: "Prega a Palavra. Faze a obra de um evangelista." Na intensa luta entra a chamada de Deus e o dever à sua família, Aimée caiu num estado de depressão que ela procurou afastar, dedicando-se mais às obrigações domésticas e ao cuidado de seus filhos. A escritura que sempre voltava à sua mente, era "E Jonas se levantou para fugir de diante da face do Senhor para Tarsis." Aimée não podia negar a chamada de Deus na sua alma. Adoeceu e, gradativamente, foi piorando, ao ponto do ruído da água fervendo ou da conversa baixa, tornar-se insuportável. Foi necessário uma operação, mas ela piorou. As complicações resultantes do coração, hemorragias do estômago e nervosismo intenso levaram o médico a aconselhar uma outra operação séria.
Aimée adiou a operação por um tempo, na esperança de que Deus iria curá-la. Mas, cada vez que pedia a cura de Deus, vinham-lhe à mente as palavras do Senhor, dizendo: "Tu irás? Pregarás a Palavra?" Um ataque repentino de apendicite, levou-a à mesa de operação, e o seu desespero era tanto, ao ponto dela pedir que Deus a levasse dessa terra. Cinco operações foram feitas naquele dia, e nos dias que se seguiram, ela chegou a um estado tão crítico, que todos aguardavam sua morte. Naquela madrugada, no silêncio do quarto no hospital, já com a respiração difícil, Aimée ouviu novamente a voz do Senhor, dizendo: "Agora tu irás?" e ela reconheceu perfeitamente que estava indo ao túmulo, ou à seara com o Evangelho. Com a pouca força que lhe restava, e em voz inaudível Aimée respondeu: "Sim, Senhor, eu irei."
Naquele momento ela sentiu nova vida no seu corpo e logo a respiração tornou-se fácil e a dor desapareceu. Em quinze dias, Aimée estava completamente recuperada.